Wondernews Agosto 18 – Regras na utilização de escadas – Parte1


Medidas de Carácter Geral:

As escadas e escadotes disponibilizados e utilizados são homologadas (marcação CE) e adequadas ao tipo de trabalhos a realizados.

No entanto considera-se na escolha destes equipamentos o seguinte:

– A natureza das atividades a realizar;

– A altura a atingir;

– O peso e as características dos objetos;

– A estabilidade e a carga máxima que este suporta;

– Eventuais riscos elétricos.

As escadas e escadotes utilizados devem ser preferencialmente em fibra de vidro ou metálicas. As escadas de madeira são proibidas na Wondercom.

Na utilização de escadas e escadotes, acima de 2 metros de altura (medida a partir do pavimento até ao ponto de posicionamento dos pés) ou sempre que possa ocorrer uma queda superior a 2 metros de altura é necessário a utilização de Equipamentos de Proteção Individual – EPI’s contra queda em altura;

 

Transporte:

Por um só colaborador:

– Só se a escada ou escadote tiver peso inferior a 30 kg;

– Ao ombro com a parte da frente acima da cintura;

– Sem a bascular nem mudar bruscamente a direção;

– Com os escadotes fechados.

 

Por dois colaboradores:

– Com as escadas extensíveis recolhidas e amarradas;

– Com as cordas (das escadas extensíveis) sem arrastar pelo chão;

– Com os escadotes fechados.

 

Em veículos:

– Com os pontos de contacto protegidos com panos, esponjas…;

– Bem amarrados (de preferência nos dois topos);

– Sem ultrapassar em extensão a cabina do veículo.

 

Colocação da Escada em Apoio e Estabilidade:

– A escada deve ser colocada para que a base fique apoiada em pontos solidamente fixos, que a impeçam de deslizar;

– Em nenhuma circunstância a escada pode ficar assente sobre materiais soltos, caixotes ou outros objetos que possam vir a provocar a sua instabilidade ou oscilação;

– Sempre que não seja possível colocar a base dos montantes sobre um plano horizontal fixo, devem usar-se estabilizadores ou pés reguláveis;

– Nos casos em que se verifique o risco de afundamento dos pés, devem ser usadas bases de madeira com dimensões de pelo menos 20 x 20 cm;

– O apoio superior da escada deve ficar estável, devendo, para tal, verificar-se uma das seguintes situações:

  – Os dois montantes da escada ficam assentes em pontos de solidez não duvidosa;

  – A utilização dum dispositivo de adaptação ao apoio (berço), em “V”, “U”, etc.

  – O último degrau fica encostado no apoio.

 

Nota: Ter atenção se as superfícies de apoio da base e do topo da escada apresentam aderência diminuída, por ação de gelo, musgo ou outra.

 

Elevar para Posição Vertical:

  Ou baixar escadas simples de um tramo e peso inferior a 25 kg, por um só colaborador:

   – Deitar a escada no solo e travar os pés de forma que não deslizem durante a operação;

   – Elevar a extremidade oposta (parte de cima da escada);

   – A partir deste extremo, ir avançando com precaução, colocando as mãos sobre os degraus, até que a escada fique na posição vertical;

   – Inclinar lentamente a escada até a colocar sobre o ponto de apoio.

 

  Ou baixar escadas extensíveis com peso superior a 25 kg, por dois colaboradores:

   – Um dos colaboradores deve-se colocar agachado com os pés sobre o primeiro degrau e as mãos a segurar o terceiro;

   – O segundo colaborador executa as manobras descritas no item anterior;

   – Baixar as escadas da posição vertical, deve ser efectuado sempre por dois colaboradores.

Altura e Estabilidade:

– A altura da escada/escadote deve permitir aos seus utilizadores alcançarem e manterem uma posição de trabalho elevada sem terem necessidade de se esticarem, evitando posições de desequilíbrio ou a adopção de posturas incorrectas;

– A base de suporte do escadote deve possuir as dimensões suficientes para garantir a sua estabilidade de forma a evitar que tombe, oscile ou escorregue;

– O escadote deve ser em material resistente, possuir bases anti-derrapantes e sistemas articulados ou outros que impeçam o seu fecho imprevisto, bem como a abertura para além do ângulo para que foi previsto;

– Os escadotes devem possuir uma guarda que se eleve acima do último degrau, de modo a permitir auxiliar o utilizador durante a subida/descida e na qual possa também apoiar a carga;

– A construção deve ser robusta e suportar a carga previsível (pessoa + objecto);

– Verificar se não existe risco da escada tocar ou aproximar-se perigosamente de condutores ou outras peças nuas em tensão (tomar em atenção que a distância de segurança aos condutores ou peças nuas em tensão aumenta com o nível da tensão);

– Para assegurar o equilíbrio e estabilidade, as escadas devem ser colocadas de modo que a relação entre o pé (distância da base da escada à vertical do apoio) e o comprimento da escada esteja compreendida entre 1/3 e ¼;

– Nas escadas extensíveis verificar sempre o posicionamento das pastilhas de segurança, antes da sua utilização.

– Em cada escadote/escada deve figurar, de forma bem indestrutível, a indicação da carga máxima admissível;

– Para trabalhos de curta duração e sem exigência de grandes esforços do utilizador, aceita-se que o colaborador, colocado na base da escada, possa servir como agente de imobilização, impedindo os movimentos laterais desta e travando a base dos montantes com os pés.

Posicionamento da Escada:

– As escadas devem ser colocadas com um ângulo de 60º a 75º, com o solo (regra: uma escada com 4 metros deve ficar, na base, um metro afastada da parede);

– No caso de colocar uma escada apoiada numa fachada ou estrutura, para subida a um terraço ou plataforma, aquela deve ficar com cerca de 1 metro acima da referida estrutura.

Fixação da Escada:

– O topo da escada deve ser seguro preferencialmente a pontos existentes, solidamente fixos;

– Sempre que a escada não esteja fixa a partir do solo, na primeira subida (e na última descida) deve ser mantida segura por um colaborador colocado na sua base;

– Não existindo no topo um ponto de amarração suficientemente sólido, deve proceder-se à imobilização da escada a partir do solo.

Nota: Para trabalhos de curta duração e sem exigência de grandes esforços do utilizador, aceita-se que um colaborador colocado na base da escada possa servir como agente de imobilização, impedindo os movimentos laterais desta e travando a base dos montantes com os pés.